O que é classificação vocal e como saber qual é a classificação da sua voz

Você sabe qual é a sua classificação vocal?

Classificação vocal é um processo no qual um profissional da voz (como um professor de canto) através de testes vocais, conhece a extensão vocal de alguém e a partir disso define a voz dela. Você já deve ter ouvido falar sobre alguém que é soprano, tenor ou barítono. E se você iniciou no mundo do canto, provavelmente já tenha se perguntado: mas que tipo de voz é a minha?

Para que você entenda o processo, é necessário conhecer alguns conceitos básicos, sendo o primeiro deles o de extensão vocal.

O que é extensão vocal?

Extensão vocal é um intervalo de notas que varia da nota mais grave para a nota mais aguda que uma voz pode atingir, independente do esforço ou da afinação da pessoa. Alguns fatores biológicos são muito importantes para definir a extensão vocal de uma pessoa: as dimensões da laringe, as pregas vocais, as características físicas, a respiração entre outras. Dentro da extensão vocal, existe um conjunto de notas que a pessoa consegue emitir sem fazer muito esforço e com qualidade. A isso dá-se o nome de tessitura.

Quando alguém começa a fazer aulas de canto, seja na modalidade lírica ou na modalidade popular, cabe ao professor de canto identificar essa extensão e realizar a classificação vocal do aluno. Isso se dá através de diversos exercícios que o aluno precisa executar. O professor irá testar os seus limites quanto ao grave e depois os seus limites quanto a capacidade de notas mais agudas.

A partir do momento que o professor tem a sua extensão vocal detectada, ele classificará sua voz dentro de um padrão pré-estabelecido. Essa classificação vocal, possui três divisões básicas para vozes masculinas e três classificações vocais para vozes masculinas.

Obs: As subdivisões das vozes que você verá abaixo, estão no artigo de “Classificação Vocal”, de Márcio dos Santos, publicado no site da PUC SP.

Classificação vocal para vozes femininas

As vozes femininas são classificadas entre sopranos, mezzo-sopranos e contraltos.

Sopranos

A mais aguda das vozes femininas.

Soprano Lírico-Ligeiro: possui o brilho e expressividade de uma soprano lírico, porém com uma maior agilidade para fazer coloraturas

Soprano Lírico: voz mais brilhante e cheia de médios, também possui maior volume e dinâmica. Voz versátil e capaz de atravessar o peso de uma orquestra.

Soprano Lírico Spinto: são sopranos líricos que por características anatômicas singulares, desenvolvem um aspecto de peso na voz. Produzem timbre com características encorpadas e metálicas ao mesmo tempo.

Soprano Dramático: raro e de sonoridade escura, é o soprano mais grave. Possuem bastante resistência e conseguem cantar em grande volume por um tempo maior.

  • Sopranos da música popular: Gal Costa, Sandy e Sarah Brightman.
  • Sopranos da música católica: Ziza Fernandes

Mezzo-soprano

É uma voz intermediária que consegue transitar com muita facilidade entre graves e agudos. Poucas cantoras possuem tamanha versatilidade.

Mezzo-soprano Lírico: é também chamado em alguns lugares de “Mezzo-soprano Ligeiro”, pois apesar do timbre grave, assim como o “Soprano Ligeiro”, tem boa agilidade para volaturas.

Mezzo-soprano Dramático: de grande extensão, timbre escuro e bem grave.

  • Mezzo-sopranos da música popular: Elba Ramalho, Rita Lee e Marisa Monte

Contralto

É a voz feminina mais grave.

Contralto coloratura: é uma voz ágil, de alta sustentação de notas e de extensa coloratura. Dados os desvios das normas da classificação, este tipo de voz é bastante raro e especialista em passagens floridas e saltos.

Contralto lírico: é mais leve do que um contralto dramático, mas não é capaz da ornamentação e dos saltos de um contralto coloratura. Esta classe de contralto, mais leve no timbre do que os outros, é o mais comum hoje em dia.

Contralto dramático: é a voz mais dramática, profunda, escura e pesada de contralto, tendo geralmente mais poder do que os outros. Cantoras nesta classe, como as “Contraltos coloratura”, são raras.

  • Contraltos da música popular: Gal Costa, Sandy e Sarah Brightman.
  • Contraltos da música católica: Ir. Kelly Patrícia, Adryana Arydes e Eliana Ribeiro

Classificação vocal para vozes masculinas

As vozes masculinas são classificadas entre tenores, barítonos e baixos.

Tenor

A mais aguda das vozes masculinas.

Tenor Ligeiro: é a voz masculina natural mais aguda, também com facilidade para volaturas.

Tenor Lírico-Ligeiro: é um pouco mais encorpado que o “Ligeiro”, mas também tem facilidade pra agudos e volaturas.

Tenor Lírico: voz mais rica em harmônicos que a anterior, tem o timbre mais cheio.

Tenor Dramático: assim como o tipo “Soprano Dramático”, desenvolve grande volume e é mais raro no Brasil. É o “Tenor” mais grave.

  • Tenores na música popular: Nando Reis, Andre Matos, Zezé de Camargo e Xororó

Barítono

Uma voz intermediária. Transita bem entre graves e agudos.

Barítono Lírico ou Barítono Central: é comum como terceira voz em quartetos masculinos de música cristã.

Barítono Dramático: de voz bem grave e volumosa, também é chamado de “Baixo Cantante” ou “Baixo Barítono”.

  • Barítonos na música popular: Frank Sinatra e Chris Cornell.
  • Barítonos na música católica: Dunga, Laércio Oliveira e Dalvimar Gallo

Baixo

A voz masculina mais grave.

Baixo Profundo: timbre muito escuro, voz potente, impressionante e muito rara no Brasil. É encontrado com maior facilidade em países eslavos.

Baixo Superprofundo: é o tipo mais grave da voz humana. Seu timbre é escuro e extremamente grave.

  • Baixos na música popular: Tim Maia, Louis Armstrong, Zé Ramalho e Barry White
  • Baixos na música católica: Padre Fábio de Melo e Eugênio Jorge

Dentro do processo de classificação vocal, existe voz mais bonita do que a outra?

Algumas pessoas acham que a sua voz é feia, sobretudo se comparam a sua voz, a de outra pessoa. Na verdade não existe voz feia, o que é existe são vozes que cantam fora da sua tessitura vocal ou que não cantam da forma correta (sem a devida técnica).  Se um cantor cuja classificação vocal é dada como baixo, tenta cantar uma música com o mesmo tom de um tenor ou explorar as mesmas notas que o tenor costuma cantar, o resultado certamente não será bom, nem para quem canta, nem para quem escuta.

Por isso é importante conhecer a sua voz e a região na qual ela responde com maior qualidade. Se você é fã de um cantor ou cantora e tenta imitá-los, tenha cuidado! Sem perceber, você pode prejudicar sua voz.

Por isso é importante procurar uma escola de música que possa ajudar você a cantar bem. Venha fazer uma aula experimental de canto aqui no Infomuc. Você pode escolher entre o canto lírico ou popular e estudar com os melhores professores de canto do Recife.


Acesse:

Instituicional: https://infomuc.com.br 
Escola de Música: https://escola-de-musica.infomuc.com.br 
Produção Musical: https://producao-musical.infomuc.com.br

Estamos no facebook: https://www.facebook.com/INFOMUCOFICIAL 
Siga-nos no Instagram: https://www.instagram.com/infomucoficial
Se inscreva em nosso canal do Youtube: http://bit.ly/YOUTUBEINFOMUC

Você sabe o que são vocalises?

Depositphotos_87100582_xl-2015-1024x683 Você sabe o que são vocalises?
Para cantar bem e ter uma técnica vocal apurada, é imprescindível conhecer e praticar vocalises.

Os vocalizes são exercícios vocais realizados em aulas de técnica vocal ou em aulas de canto, onde o aluno canta diferentes intervalos musicais dispostos melodicamente (nota após nota). Para realizar os exercícios, geralmente o aluno é acompanhado por instrumento como piano ou violão. Os vocalises devem ser feitos sempre com o uso correto da respiração, da articulação e da ressonância. Na prática, eles são criados com vogais (a, e, i, o, u), sílabas (má, pu, lá, pó) , palavras e frases. Os intervalos musicais na vocalização ajudam a educar o ouvido e trabalham nossas pregas vocais.

E eles são ótimos para treinar e aprender a ter precisão vocal. Os professores utilizam escalas musicais para que o exercício seja efetuado corretamente, como escalas maiores, escalas pentatônicas, etc. Isso também vai ajudar você futuramente na improvisação.

A prática contínua dos vocalises fará com que pouco a pouco, problemas como tremulação de voz, voz “anasalada”, gutural e estridente, além de problemas de extensão vocal, sejam sanados. E a partir deste estudo, teremos uma voz com extensão maior, sonoridade mais bonita e flexível, ou seja, que a voz consiga alcançar as notas com mais facilidade, firmeza e segurança.

Como praticar vocalises?

Os vocalises podem ser feitos diariamente, mas segundo os especialistas não devem ultrapassar 25 minutos! Alguns professores fornecem o áudio das vocalises depois de ensinadas. Outros fornecem apenas a partitura para que o aluno que já tem um conhecimento de teoria musical, possa treinar em casa.

Geralmente este tipo de exercício é feito em frente ao espelho. Mas é importante que o aluno não inicie este tipo de trabalho sozinho. E importante ter um professor, que vai lhe mostrar a forma correta de fazer e acompanhar a sua evolução. Lembre-se de usar volume moderado em toda a extensão. No início os vocalises devem ser feitos com graus conjuntos. Estes no caso, são vocalises simples sempre dentro do registro médio, progredindo para a tessitura. Lembre-se que a homogeneidade no volume da voz é importante na vocalização.

Se você deseja trabalhar melhor a sua voz, venha fazer aulas de canto ou aulas de técnica vocal aqui na Escola de Música do Infomuc! Temos professores habilitados e preparados para ensinar a você todas as técnicas para cantar bem e com a qualidade de um profissional.

Acesse:

Instituicional: https://infomuc.com.br 
Escola de Música: https://escola-de-musica.infomuc.com.br 
Produção Musical: https://producao-musical.infomuc.com.br

Estamos no facebook: https://www.facebook.com/INFOMUCOFICIAL 
Siga-nos no Instagram: https://www.instagram.com/infomucoficial
Se inscreva em nosso canal do Youtube: http://bit.ly/YOUTUBEINFOMUC

AULA DE CANTO LÍRICO OU AULA DE CANTO POPULAR?

E agora? Faço aulas de canto lírico ou popular?
Aula de canto lírico ou popular? Por onde devo começar? Essa é uma das perguntas mais comuns que nossas consultoras do INFOMUC ouvem, quando falam com que que deseja estudar canto. É fácil identificar e distinguir as diferenças entre um cantor lírico e um cantor popular quando ouvimos alguém cantar. No entanto quando alguém decide ter aula de canto, é normal surgir dúvidas sobre canto erudito e canto popular. Existem pessoas que já sabem qual seria o melhor caminho para elas e chegam na escola sabendo se querem o lírico ou o popular. Por outro lado existem pessoas que tem outras preferências. Esses por exemplo, querem aprender canto lírico mesmo querendo trilhar o caminho do canto popular, achando que o trabalho erudito possa lhe dar mais opções no cenário pop. Por isso o Infomúsica trouxe para você alguns pontos que dever ser considerados na hora de escolher entre fazer aula de canto lírico ou canto popular. Confira!


Classificação vocal

  • Lírico: É o primeiro passo para se construir um repertório. Existem músicas escritas para cada tipo de voz, e esta intenção do autor tem que ser respeitada. Por isso a música depende muito da sua classificação vocal (tenor, soprano, barítono, etc.)
  • Popular: No canto popular existe a possibilidade da variação de tons. Além disso, escolha do repertório é feita pelo gosto pessoal, e a tonalidade da peça é modificada para se adequar à tessitura do cantor. A classificação perde importância. O que conta é mostrar uma voz interessante, pessoal, marcante, que o ouvinte possa identificar.


Intensidade

  • Lírico: O Cantor lírico precisa de grande volume ou potência vocal. Via de regra ele não usa microfone e a sua voz deve alcançar toda a plateia mesmo cantando junto com uma orquestra inteira. A aula de canto lírico trabalha bastante a intensidade e a impostação de voz;
  • Popular: Para o canto popular não há a necessidade de tanta potência vocal. O cantor popular geralmente faz uso do microfone. Com isso a emissão da voz fica no nível da fala de forma natural. O cantor regula o volume através da sua emissão vocal e também através do equipamento (microfone).


Qualidade vocal

  • Lírico: Existem padrões já estabelecidos que devem ser respeitados, de acordo com cada tipo de voz. É como se neste caso o cantor é quem deve se adequar a música e não ao contrário;
  • Popular: O conceito de “boa voz” é mais flexível. No canto popular valoriza-se um estilo pessoal, uma voz que se identifique, uma “marca”. Aqui é a música que se adequa ao cantor que pode mudar de tom e de andamento, além de improvisar.


Extensão

  • Lírico: As composições para canto lírico via de regra têm grande extensão, e tendem a explorar as regiões extremas das vozes. Por isso o cantor deve ser virtuoso, e incrivelmente técnico, usando todos os seus recursos.
  • Popular: Nem sempre é necessária uma grande extensão vocal. Entre as cantoras, parece haver certa tendência a rejeitar os agudos (principalmente no registro de cabeça) e valorizar a voz grave; uso da voz “mista” (mistura as ressonâncias de cabeça e peito).


Articulação e dicção

  • Lírico: O cantor lírico precisa seguir as regras da música. Ele serve tanto a ela que em muitos casos a pronúncia artificial é difícil de entender. Ele pode até distorcer um fonema em favor da melhor emissão musical.
  • Popular: Este é um caso inverso: A letra tem primazia e deve ser dita como na fala, com clareza, naturalidade e sem distorções na pronúncia, para que seja compreendida imediatamente.


Liberdade, Criatividade, Improvisação

  • Lírico: Precisa ser fiel à intenção original do autor, respeitando todas as indicações da partitura, como tonalidade, melodia, ornamentos, dinâmica etc. O cantor não pode improvisar.
  • Popular: Procura a novidade, o surpreendente, a releitura; espera-se sempre ouvir uma versão diferente da que já foi feita. É desejável que o cantor coloque na canção a sua “marca”, criando variações rítmicas e melódicas.


Conclusão

São poucos os cantores que conseguem transitar entre os estilos de uma forma eficiente. Muitos dos que tentam migrar acabam soando totalmente fora de contexto. Portanto, se você quer cantar ópera, faça aula de canto lírico. Se você quer cantar qualquer estilo de música popular, faça aula de canto popular pensando na especificidade de cada estilo. Mas se você quer cantar lírico e popular sua dedicação deverá ser dobrada, você terá que estudar as duas formas, e não apenas uma e cantar a outra do mesmo jeito, é isso que deixa o som deslocado no contexto.

AQUECIMENTO VOCAL: POR QUE ELE É TÃO IMPORTANTE?

A Importância do aquecimento vocal
Aquecimento vocal é uma das coisas mais importantes na vida do cantor. Dominar esta técnica vocal é fundamental para todos os cantores, sejam iniciantes ou profissionais.

A voz é o resultado da ação de diversos músculos do nosso corpo. Ela não acontece do nada. Assim como os atletas precisam aquecer a musculatura antes de disputar qualquer competição, o cantor também precisa aquecer a musculatura que faz a voz funcionar.

Quando a musculatura não está preparada, você corre o risco de ter problemas sérios nas suas pregas vocais. A anatomia da laringe, que contém as Pregas Vocais (ou Cordas Vocais), é composta por músculos que devem ser alongados e aquecidos antes do uso. Desta forma, os músculos laríngeos receberão os nutrientes essenciais para trabalhar melhor. Por isso, o ato de aquecer a voz é fundamental para que o profissional consiga cantar, declamar e falar por mais tempo.


Objetivos do aquecimento vocal

  • Mobilizar Pregas Vocais para estimular a irrigação sanguínea na região;
  • Ampliar articulação da boca a fim de favorecer a projeção da voz;
  • Instalar padrão respiratório que forneça apoio para sustentação de notas musicais;
  • Atenuar sobrecarga das Pregas Vocais através da ativação adequada de outras estruturas torácicas e faciais;
  • Elevar tempo máximo fonatório para que haja maior resistência vocal.
Se o seu desejo é realmente cantar como um profissional, é imprescindível cuidar da sua voz. Ela será seu “instrumento de trabalho”.


Quem são os profissionais habilitados para trabalhar o seu aquecimento vocal?

São dois os profissionais que podem ajudar você a ter um aquecimento vocal de qualidade: o fonoaudiólogo e o professor de canto.
O fonoaudiólogo é um profissional de Saúde que a grosso modo trata da voz de um modo clínico. Ele tem a habilidade para habilitar e reabilitar a sua voz. Por isso, ele também pode realizar com você um trabalho de aquecimento vocal. No entanto seu trabalho se resume a uma atuação mais clínica do que propriamente cênica ou artística.
Por outro lado, o professor de canto profissional é habilitado para trabalhar a sua voz em prol da música. Ele também tem a habilidade de trabalhar com eficiência e eficácia a sua voz em todas as etapas, incluindo o aquecimento e o desaquecimento vocal. Cabe a ele escolher os melhores exercícios e ensinar você a fazê-los de forma constante.


Quais os riscos de não fazer um aquecimento vocal ou fazê-lo de forma errada?

O grande problema de não fazer um aquecimento adequado antes de cantar é de você forçar demais a musculatura do aparelho fonador (inclusive as cordas vocais). Com isso você pode ter problemas cordas vocais como rouquidões constantes, nódulos, cistos, hemorragias e laringites. Por isso antes da sua apresentação, reserve uns vinte minutos para aquecer a sua voz (com os exercícios indicados pelo professor). Depois da apresentação reserve uns minutos para desaquecer a voz e ficar em silêncio. Assim as cordas vocais podem descansar e você poderá voltar a conversr normalmente.
Se você nunca fez aula de canto ou de técnica vocal e deseja estudar com professores habilitados, venha para o INFOMUC. Aqui temos tudo que você precisa para transformar você em um cantor(a) de verdade. Agende uma aula experimental gratuita no curso de Canto Popular ou Lírico ou no Curso de Técnica Vocal. Venha cantar conosco!