AULA DE CANTO LÍRICO OU AULA DE CANTO POPULAR?

AULA DE CANTO LÍRICO OU AULA DE CANTO POPULAR?

Aula de canto lírico ou popular? Por onde devo começar? Essa é uma das perguntas mais comuns que nossas consultoras do INFOMUC ouvem, quando falam com que que deseja estudar canto. É fácil identificar e distinguir as diferenças entre um cantor lírico e um cantor popular quando ouvimos alguém cantar. No entanto quando alguém decide ter aula de canto, é normal surgir dúvidas sobre canto erudito e canto popular. Existem pessoas que já sabem qual seria o melhor caminho para elas e chegam na escola sabendo se querem o lírico ou o popular. Por outro lado existem pessoas que tem outras preferências. Esses por exemplo, querem aprender canto lírico mesmo querendo trilhar o caminho do canto popular, achando que o trabalho erudito possa lhe dar mais opções no cenário pop. Por isso o Infomúsica trouxe para você alguns pontos que dever ser considerados na hora de escolher entre fazer aula de canto lírico ou canto popular. Confira!


Classificação vocal

  • Lírico: É o primeiro passo para se construir um repertório. Existem músicas escritas para cada tipo de voz, e esta intenção do autor tem que ser respeitada. Por isso a música depende muito da sua classificação vocal (tenor, soprano, barítono, etc.)
  • Popular: No canto popular existe a possibilidade da variação de tons. Além disso, escolha do repertório é feita pelo gosto pessoal, e a tonalidade da peça é modificada para se adequar à tessitura do cantor. A classificação perde importância. O que conta é mostrar uma voz interessante, pessoal, marcante, que o ouvinte possa identificar.


Intensidade

  • Lírico: O Cantor lírico precisa de grande volume ou potência vocal. Via de regra ele não usa microfone e a sua voz deve alcançar toda a plateia mesmo cantando junto com uma orquestra inteira. A aula de canto lírico trabalha bastante a intensidade e a impostação de voz;
  • Popular: Para o canto popular não há a necessidade de tanta potência vocal. O cantor popular geralmente faz uso do microfone. Com isso a emissão da voz fica no nível da fala de forma natural. O cantor regula o volume através da sua emissão vocal e também através do equipamento (microfone).


Qualidade vocal

  • Lírico: Existem padrões já estabelecidos que devem ser respeitados, de acordo com cada tipo de voz. É como se neste caso o cantor é quem deve se adequar a música e não ao contrário;
  • Popular: O conceito de “boa voz” é mais flexível. No canto popular valoriza-se um estilo pessoal, uma voz que se identifique, uma “marca”. Aqui é a música que se adequa ao cantor que pode mudar de tom e de andamento, além de improvisar.


Extensão

  • Lírico: As composições para canto lírico via de regra têm grande extensão, e tendem a explorar as regiões extremas das vozes. Por isso o cantor deve ser virtuoso, e incrivelmente técnico, usando todos os seus recursos.
  • Popular: Nem sempre é necessária uma grande extensão vocal. Entre as cantoras, parece haver certa tendência a rejeitar os agudos (principalmente no registro de cabeça) e valorizar a voz grave; uso da voz “mista” (mistura as ressonâncias de cabeça e peito).


Articulação e dicção

  • Lírico: O cantor lírico precisa seguir as regras da música. Ele serve tanto a ela que em muitos casos a pronúncia artificial é difícil de entender. Ele pode até distorcer um fonema em favor da melhor emissão musical.
  • Popular: Este é um caso inverso: A letra tem primazia e deve ser dita como na fala, com clareza, naturalidade e sem distorções na pronúncia, para que seja compreendida imediatamente.


Liberdade, Criatividade, Improvisação

  • Lírico: Precisa ser fiel à intenção original do autor, respeitando todas as indicações da partitura, como tonalidade, melodia, ornamentos, dinâmica etc. O cantor não pode improvisar.
  • Popular: Procura a novidade, o surpreendente, a releitura; espera-se sempre ouvir uma versão diferente da que já foi feita. É desejável que o cantor coloque na canção a sua “marca”, criando variações rítmicas e melódicas.


Conclusão

São poucos os cantores que conseguem transitar entre os estilos de uma forma eficiente. Muitos dos que tentam migrar acabam soando totalmente fora de contexto. Portanto, se você quer cantar ópera, faça aula de canto lírico. Se você quer cantar qualquer estilo de música popular, faça aula de canto popular pensando na especificidade de cada estilo. Mas se você quer cantar lírico e popular sua dedicação deverá ser dobrada, você terá que estudar as duas formas, e não apenas uma e cantar a outra do mesmo jeito, é isso que deixa o som deslocado no contexto.